Ainda estou vivenciando semanas quentes em cada empresa que atendo. Semanas onde tem se dado muita ênfase em metas, como se o ano tivesse apenas o mês de dezembro. Nunca, durante todo o ano, foi falado tanto em meta como agora. Interessante é ver que este fenômeno, em grande parte se repete tanto em grandes conglomerados, pequenas empresas ou até mesmo nas vidas pessoais das pessoas como um todo. Interessante saber que isso irá se repetir no ano que vem. Pois, se não mudarmos o “jeito natural” que pensamos, tudo será a mesma coisa. E qual é este jeito? O jeito é que agimos sob pressão. 

Esta pressão é exercida por nós mesmos. Parece que é um “sistema natural autoconfiante”, que nos diz: temos muito tempo ainda para fazer isso; relaxe. Quando for a hora começamos”. E quando o prazo está estourando, ligamos o botão stress-turbo e agimos.

Isso tudo ainda referindo aquela parcela de empresas que tem metas e um plano traçado. A maior parte, nem isso tem, deixando que o destino controle a empresa ou a sua vida.

Então, os questionamentos são:

- Neste ano, você dirigiu a sua vida ou foi dirigido pelas circunstâncias? Em qual percentual você dirigiu e em qual você foi dirigido?

- E no próximo ano, você irá atuar ou ser diretor desta sua vida? Em quais percentuais?

 

Bom final de semana

Gustavo Campos

Publisher do Pensador Mercadológico

Post to Twitter